Simplicidade, não tão simples: adotando um envolvimento gradual profundo

Por exemplo, algo complexo no processo ou no código é necessário para permitir que a interface com o usuário seja simples. O desenvolvimento de personas permitiu à experiência do usuário adotar uma abordagem mais centrada nas pessoas para criar um site e atender a um percentual maior de necessidades dos usuários. Embora isso funcione para sites simples, com pouca profundidade, um site mais complexo requer uma abordagem mais complexa para identificar e facilitar as necessidades do usuário.

Os usuários possuem diferentes níveis de comprometimento, treinamento, confiança e exigências, com base em onde estão em um determinado processo. Os requisitos dos sistemas devem poder atender a essas necessidades. Ao modelar os níveis nos quais os usuários estão envolvidos e identificar como suas necessidades mudam ou se expandem à medida que se tornam mais envolvidos, podemos adotar uma abordagem de projeto que pode gradualmente se tornar mais complexo. Interfaces adequadamente complexas permitem uma funcionalidade mais rica e capacidades expandidas.

O artigo completo está disponível somente em inglês.

Manzella, C. (2012). Simplicidade, não tão simples: adotando um envolvimento gradual profundo. User Experience Magazine, 11(3).
Retrieved from http://uxpamagazine.org/simplicity-not-so-simple/?lang=pt

Comments are closed.